Translate

quarta-feira, 1 de março de 2017

Angelina Jolie usou joias de designer brasileiro em sua passagem pelo Camboja

Durante sua passagem pelo Camboja, Angelina Jolie usou joias do designer brasileiro Fernando Jorge para compor seu look.

Em sua conta do Instagram, Fernando Jorge postou imagens da Atriz e Diretora, que mostram ela usando um anel e brincos de esmeralda criados por ele, com a seguinte legenda.

"Não acontece com muita frequência, mas os projetos simples do "Sprout" vieram até mim, em um sonho... e agora fizeram um outro sonho, se tornar verdadeiro."

Em outra postagem ele diz: "Palavras não podem descrever minha admiração por esta mulher", e ainda agradeceu a Jennifer Rade, Personal Stylist de Angelina.

Fonte: Fernando Jorge 123

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Angelina Jolie estrela comercial de perfumes para a Guerlain

A marca de perfumes francesa Guerlain divulgou nesse domingo, 26 de fevereiro, o comercial oficial da fragrância Mon Guerlain, estrelado por Angelina Jolie.

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Angelina Jolie homenageará brasileiro Sergio Vieira de Mello em Genebra

Angelina Jolie prestará homenagem ao ex-funcionário da ONU, o brasileiro Sergio Vieira de Mello, durante um evento no dia 15 de Março em Genebra, Suíça.

Sergio trabalhou durante 34 anos com a ONU, lutando em favor dos Direitos Humanos e foi morto em 2003, durante um ataque suicida ao Hotel Canal, que funcionava como sede da ONU em Bagdá.

O evento foi organizado pela fundação Sergio Vieira de Mello, que escolheu Angelina, por sua dedicação na luta em favor dos refugiados, que já dura 15 anos.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Relato emocionante de cidadão cambojano após assistir filme de Angelina Jolie

Phloeun Prim, diretor executivo do Cambodia Living Arts, relatou sua experiencia após assistir filme de Angelina Jolie no Camboja.

Na noite de sábado, tive a sorte de assistir à estréia de "First They Killed My Father" e tive o privilégio de trazer minha família comigo. Ao meu lado estava minha esposa Sophea, que nasceu exatamente nove meses após a queda de Phnom Penh, meus filhos e minha mãe.

Minhas duas filhas, Sayana, 13, e Clara, 6, e meu filho Eden, 11, nasceram todos no Camboja e viveram aqui por todas as suas vidas. Minha mãe nasceu em Siem Reap. Ela viveu no Camboja durante todo o período da guerra, sobreviveu e imigrou para o Canadá comigo e meu pai.

Convidei meu pai para a estréia, mas ele não queria se juntar a nós. Ele disse que não precisava ver o filme.

Para ele, nenhuma imagem poderia representar o que ele viu com seus próprios olhos durante aquele tempo. Então ele ficou em casa enquanto o resto de nós seguimos para o complexo armado no templo, onde fomos recebidos pela emoção de uma estréia mundial - um tapete vermelho, um rei e uma estrela de Hollywood.

Juntos sentou-se, três gerações dos 6 aos 66 anos de idade, e assistimos ao filme. Estávamos sentados entre estudantes e aldeões. Ao longo da exibição, ouvimos alegrias, surpresas, lágrimas e risos, e vimos a história se desenrolar, acompanhada pelas reações públicas do público. Na tela vimos belas cenas dos campos de arroz que provoca nostalgia em cada cambojano.

Como eu me sentei em um lugar ao ar livre no templo, eu podia sentir o clima único do Camboja, coberto pela umidade, com uma brisa fresca na minha pele, experimentei sensações da minha infância, que eu havia esquecido há muito tempo. Então, no carro a caminho de casa, algo inesperado aconteceu, começou com uma pergunta do meu filho, ele me questionou por quanto tempo eu vivi com o Khmer Vermelho.

Minha mãe, que é uma dona de casa cambojana típica, que nunca fala sobre esse tempo, respondeu primeiro. Ela disse a ele: "Sua avó e vovô viveu os quatro anos do regime Khmer Vermelho. Seu pai nasceu durante o primeiro ano, viveu três anos dele. Seu avô também era um soldado de Lon Nol e teve que escapar do Khmer Vermelho caminhando para a fronteira da Tailândia. "

A minha filha perguntou quanto tempo demorou a caminhar. Mais uma vez minha mãe respondeu: "Levamos três dias e três noites caminhando pela selva. Seu avô amarrou seu pai ao peito usando um krama. Seu pai estava tão magro. Durante um dia inteiro e uma noite inteira não tínhamos água nem comida, mas seu pai não chorou. "" Lembro que o Khmer Vermelho estava correndo atrás de nós ", ela continuou.

"Ouvi tiros e bombas explodindo. Eu estava exausta e não tinha forças para continuar. Nesse ponto, eu disse ao seu vovô para continuar correndo. Eu disse a ele para levar o seu pai e me deixar aqui. Eu estava cansada demais para correr. Então, mantendo seu pai em uma mão, ele me agarrou com a outra e continuou me puxando e finalmente todos nós escapamos com segurança. Durante essa viagem de 30 minutos de carro, essa foi a primeira vez que eu ouvi a história de como minha família escapou do Khmer Vermelho".

Eu provavelmente deveria ter perguntado há muito tempo, mas, talvez, como muitos dos meus colegas cambojanos, nunca ousei. Na manhã seguinte, acordei às 5 da manhã para escrever uma carta. Eu estava escrevendo para os criadores do filme: Loung Ung, que escreveu o livro de sua própria história de vida, Angelina Jolie, e meu querido amigo Rithy Panh, co-produtor do filme.

Eu precisava agradecer a eles. A história que eles compartilhavam na tela, trouxe uma história não contada em minha família. Essa história e sua narração é um presente que vou guardar para o resto da minha vida. É o tipo de presente que apenas os artistas têm o poder de dar.

Os artistas têm uma maneira especial de desenterrar memórias que há muito tempo enterramos, e desencadear sentimentos que tentamos esquecer. Sou um forte crente no poder das artes para transformar pessoas, comunidades e sociedades.

Através do meu trabalho no Cambodian Living Arts, tenho testemunhado a transmissão de cultura, memorias e história entre gerações.

Na noite de sábado, graças ao filme, experimentei pessoalmente uma cura coletiva em minha própria família. Esse passado estava muito longe de mim, para eu me lembrar, e ainda muito perto de meus pais para eu perguntar. Eu nunca fui capaz de compartilhar essa parte de mim com meus filhos (porque eu não sabia disso).

Esse diálogo entre meus filhos e minha mãe é uma experiência compartilhada que eu duvido que qualquer um de nós jamais esquecerá.

Minha filha mais nova, que tem provavelmente a mesma idade que Loung no filme, sentou no meu colo durante toda a exibição. Ela estava fazendo tantas perguntas: "Por que o pai de Loung morreu? Por que o Khmer Vermelho é tão ruim? "Quando ela se cansou, eu a segurei em meus braços. Naquele mesmo momento, a imagem de Loung segurando seu pai antes que ele fosse levado pelo Khmer Vermelho apareceu na tela, e as lágrimas vieram aos meus olhos. Eu podia sentir o sentimento de todos os pais, passando por esse tempo de conflito.

O sentimento de um pai segurando seu filho, sussurrando palavras doces, tentando criar a esperança de um amanhã melhor. Embora este filme é uma história cambojana, em meu coração é uma história de uma tragédia da humanidade, que temos visto continuar em todo o mundo de hoje.

Desejo que através desta história do Camboja, podemos lembrar ao mundo que a guerra não é a solução. Como membro de uma família que sobreviveu ao Khmer Vermelho, incentivo os jovens a assistirem a este filme, que através das histórias resilientes de cada um dos personagens do filme, espero que ele inspire as gerações futuras a não recuar.

Para os cineastas, eu simplesmente digo obrigado. Como pai e como filho, muito obrigado por me permitirem chorar.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Angelina Jolie visita o instituto de audiovisual Bophana Center no Camboja

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Angelina Jolie visitou o instituto de audiovisual Bophana Center na manhã de ontem, terça-feira, 21 de fevereiro, em Phnom Penh, capital do Camboja.

A atriz e diretora foi recepcionada pelo comitê do Festival de Cinema do Camboja, do qual ela é patrona na edição desse ano.